A CHIES AUTOMÓVEIS

Em 1993, o comerciante Nilso Chies, hoje com 59 anos, resolveu trocar de ramo. Encerrou as atividades no comércio de cereais e investiu no comércio de veículos, abrindo a Chies Auto- móveis. Passados quase 29 anos, a empresa está mais do que consolidada no mercado local e segue conquistando clientes em todo o Rio Grande do Sul. A loja trabalha com veículos usados, seminovos e zero km, de todas as marcas.

 

“Estamos no mercado há quase 29 anos, isso é sinal de que se trata de uma empresa séria, que faz um bom trabalho”.

O começo foi numa sala diminuta, sempre na rua 25 de Setembro, 942, onde hoje atende com cinco salas para a exposição dos automóveis que oferece, mais um pavilhão que serve de depósito, totalizando mil metros quadrados de área de loja.

A equipe é composta pelo Nilso, que aos poucos vai passando o comando da loja para o filho Giordano Pontin Chies, 26 anos, pela secretária Juliane Seben, 25 anos, que cuida da parte administrativa, mais dois funcionários na manutenção dos veículos, Gilson Spader, 39 anos. Gilson está há 24 anos na empresa, e vai passando seu conhecimento para o jovem aprendiz Jonatan da Silva, 16 anos.

“As vendas são feitas por mim, pelo Giordano e pela Juliane, o Gilson está comi- go há 24 anos e faz a manutenção dos veículos, ele está ensinando o Jonatan, e os dois preparam os carros, fazem a troca de óleo, higienização, limpeza, para que venham aqui para a frente para que possam ser vendidos”.

O tino para o comércio de veículos vem de berço, revela Nilso: “Meu pai, Vergílio Chies, falecido há 10 anos com 84 anos, costumava trazer alguns carros de fora e vendia. Peguei gosto por este tipo de comércio.

 

Eu não aguentava mais lavar mil quilos de batata por dia, era muito trabalho, se fazia muita força e até me surgiu uma hérnia. Vendi tudo que eu tinha, até a casa, e investi na loja. Deu certo, fomos crescendo aos poucos”.

Nilso salienta que “temos clientes de todas as regiões do Estado. Me ligam de tudo que é lugar dizendo que compraram um carro em tal ano e que querem comprar outro”.

Conquistar a clientela não é algo que ocorre ao acaso, observa Nilso: “tem que ter seriedade naquilo que se faz, trabalhar sério, responsabilidade, respeito ao cliente, dar garantia do que está se vendendo, falar o que realmente é. Não fazer para o cliente o que não gostaria que fizessem para ti. O cliente bem tratado não só volta para a tua loja como indica a loja para amigos. Cada um colhe o que planta”.

Nos 28 anos de atuação neste segmento de economia, Nilso disse que o mercado nunca viveu o que está ocorrendo agora: “O comércio de automóveis está passando por um momento diferente. Nesses 28 anos nunca aconteceu nada parecido, os carros estão aumentando todos os meses. Não tem mais carro zero, novo, e o usado, o seminovo valorizou.

 

Os carros de maior valor, com preços acima de 300 mil reais, estão os que mais falam no mercado. É a velha lei da oferta e da procura. No meio disso tudo há distorções, e aí entra a experiência em negociar, mas quem acaba pagando o preço é o consumidor. Já foi pior, quando a inflação chegava até a 80% num mês, se fechava um negócio hoje e amanhã já se estava perdendo dinheiro.